Auto-Interrogação Emily Brontë

 

 

“A noite passa rapidamente lá fora

É quase hora de descansar;

Que pensamentos sobraram do dia que terminou,

Que sentimentos em teu peito?

 

“O dia que terminou? Deixou um sentimento

De trabalho arduamente feito;

De poucos ganhos com grandes custos-

Um sentimento de pesar somente?

 

“O Tempo está em frente à porta da Morte,

Reprovando amargamente

E a Consciência, com fôlego inesgotável,

Lança sombrias acusações sobre mim:

 

“E embora eu tivesse dito que a Consciência mente

Tempo e Destino devem condenar-me;

Ainda assim, o triste Arrependimento escurece meus olhos

E faz eu me render à eles!

 

“Então tu estás contente em procurar repouso?

Estás contente em partir para o mar,

E ancorar todas tuas fartas tristezas

Na calma Eternidade?

 

Nada lamenta te ver ir-

Nenhum choro de adeus,

E onde teu coração sofreu tanto

Tu podes desejar morar?”

 

“Ai de mim! São fortes os elos incontáveis

Que nos ligam ao nosso corpo;

O espírito de amor perdura muito tempo

E não passará!

 

“E o descanso é doce, quando a fama gloriosa

Coroar a testa do soldado;

Mas um coração corajoso, com um nome carimbado

Preferiria a luta que o descanso.

 

“Bem, lutaste por mais um ano,

Lutaste a tua vida inteira,

Venceste a Falsidade, derrotaste o medo;

O que deixou para fazer?

 

“É verdade, esses braços tem arduamente tentado

Desafiar o que poucos desafiariam;

Muito eu tenho feito, e livremente dado,

Mas sofrer pouco aprendi.

 

“Veja no túmulo onde tu deves descansar

Teu último, e mais forte inimigo,

Não é permitido chorar

Se aquele descanso parecer triste.

 

” A longa guerra está perto do fim-

Fim serenamente aceito,-

Teu descanso da meia-noite ainda pode ser doce,

E despontar na gloriosa manhã!”

 

 

Self-interrogation

 

“The evening passes fast away

‘Tis almost time to rest;

What thoughts has left the vanished day,

What feelings in thy braest?

 

“The vanished day? It leaves a sense

Of labour hardly done;

Of little gained with vast expense-

A sense of grief alone?

 

“Time stands before the door of Death,

Upbraiding bitterly

And Conscience, with exhaustless breath,

Pours black reproach on me:

 

“And though I’ve said that Conscience lies

And Time should Fate condemn;

Still, sad Repentance clouds my eyes,

And makes me yield to them!

 

“Then art thou glad to seek repose?

Art glad to leave the sea,

And anchor all thy weary woes

In calm Eternity?

 

“Nothing regrets to see thee go-

Not one voice sob’s farewell,

And where thy heart has suffered so,

Canst thou desire to dwell?”

 

“Alas! the countless links are strong

That bind us to our clay;

the loving spirit lingers long,

and would not pass away!

 

“And rest is sweet, when laurelled fame

Will crown the soldier’s crest;

But a brave heart, with a tarnished name,

Would rather fight than rest.

 

“Well, thou hast fought for many a year,

Hast fought thy whole life through,

Hast humbled Falsehood, trampled Fear;

What is there left to do?

 

” ‘Tis true, this arms has hotly striven,

Has dared what few would dare;

Much have I done, and freely given,

But little learnt to bear!

 

“Look on the grave where thou must sleep

Thy last, and strongest foe,

It is endurance not to weep,

If that repose seem woe.

 

“The long war closing in defeath-

Defeath serenely borne,-

thy midnight rest may still be sweet,

And braek in glorious moun!”

 

 

 

 

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Portrait atribuído a Charlotte Brontë 1850 - National Portrait Gallery, Londres
  • Haworth Parsonage

    Escadas para o primeiro andar

  • Poemas

  • Os poemas de Emily Jane Brontë são obras apaixonadas e poderosas que transmitem a vitalidade do espírito humano e do mundo natural. Apenas 21 de seus poemas foram publicados durante sua vida - este volume contém esses e todos os outros atribuídos a ela. Muitos poemas descrevem o país mítico de Gondal e seus cidadãos de que ela imaginava com Anne, o unico registro sobrevivente de sua criação conjunta. Outros trabalhos visionários, incluindo "Remembrance" e "No coward soul is mine", corajosamente enfrentou a mortalidade e antecipou a vida após a morte. E poemas como "Redbreast early in the morning" e "The blue bell is the sweetest flower" evocam as belezas selvagens da natureza que ela observou nas charnecas de Yorkshire, ao mesmo tempo, examina o estado de sua psique. http://www.penguinclassics.co.uk
  • Wuthering Heights

  • Em uma casa assombrada por memórias, o passado está em toda parte ... Quando a escuridão cai, um homem preso em uma tempestade de neve é forçado a abrigar-se na casa do estranho e sombrio morro dos ventos uivantes. É um lugar que ele nunca vai esquecer. Lá, ele irá conhecer a história de Cathy: como ela foi forçada a escolher entre seu marido bem intencionado e o homem perigoso que ela tinha amado desde que era jovem. Como sua escolha levou a traição e uma vingança terrível - e continua a atormentar aqueles no presente. Como o amor pode transgredir convenções autoridade, até mesmo a morte. E como o desejo pode matar. http://www.penguinclassics.co.uk
  • Agnes Grey

  • Quando sua família se torna empobrecida depois de uma especulação financeira desastrosa, Agnes Grey determina-se a encontrar trabalho como governanta, a fim de contribuir para o seu magro rendimento e afirmar a sua independência. Mas o entusiasmo de Agnes é rapidamente extinto, enquanto ela enfrenta as primeiras lutas com as crianças incontroláveis Bloomfield e depois com o desprezo doloroso da altiva família Murray; ela só recebe bondade do Sr. Weston, o cura joven. Baseando-se em sua própria experiência, o primeiro romance de Anne Brontë oferece uma perspectiva atraente sobre a posição desesperada das solteiras, mulheres educadas para se tornarem governantas, por ser a única carreira respeitável para moças pobres na sociedade vitoriana. http://www.penguinclassics.co.uk
  • The Tenant of Wildfell Hall

  • "Eu já não amo meu marido - eu o odeio! As palavras para mim, no rosto, são como uma confissão de culpa” Gilbert Markham está profundamente intrigado por Helen Graham, uma jovem mulher bonita e misteriosa que se mudou para perto Wildfell Hall com seu jovem filho. Ele é rápido para oferecer a Helen sua amizade, mas quando seu comportamento recluso passa a ser o assunto de fofocas locais e especulação, Gilbert começa a se perguntar se deveria confiar nela. É somente quando ela permite Gilbert ler seu diário que a verdade é revelada e os detalhes chocantes do casamento desastroso que ela deixou para trás emergem. O Inquilino de Wildfell Hall é um retrato poderoso de luta de uma mulher para sua independência e liberdade criativa.
  • Jane Eyre

  • Órfã Jane Eyre cresceu na casa de sua tia sem coração, onde ela permaneceu solitária e conheceu a crueldade da tia e primos. Foi mandada para uma escola de caridade em um severo regime. Este infância conturbada reforça a força natural do espírito de Jane - que se revelem necessárias, quando ela encontra uma posição como governanta em Thornfield Hall. Mas quando ela encontra o amor com seu empregador sardônico, Rochester, a descoberta de seu segredo terrível a leva a fazer uma escolha. Ela deveria ficar com ele e viver com as consequências, ou seguir suas convicções, mesmo que isso signifique deixar o homem que ela ama. http://www.penguinclassics.co.uk
  • Tópicos recentes

  • Arquivos

  • Categorias

  • Meta

  • Blog Stats

    • 5,983 hits
%d blogueiros gostam disto: